Weby shortcut
Icone - facebook
Imagem do Concretar

Ação do Fogo em Edifícios Multipavimentos foi tema do VI Concretar

O programa de extensão “COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO” da EECA/UFG, coordenado pelo Prof. Dr. Titular Oswaldo Cascudo, promoveu no dia 30/05 em Goiânia, o VI Concretar - Fórum sobre Durabilidade e Desempenho das Estruturas de Concreto com palestras sobre a “Ação do Fogo em Edifícios de Multipavimentos”.  

O evento ocorreu no auditório do Sindicato da Indústria da Construção no Estado de Goiás (Sinduscon-GO), com o apoio da  Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP) e do próprio Sinduscon-GO. Participaram mais de 80 pessoas entre professores, estudantes, empresários, profissionais, laboratórios técnicos, fornecedores de materiais e parceiros da indústria da construção.  

O evento teve como objetivo alertar o meio técnico-científico sobre a segurança de grandes edificações na resistência ao fogo e também sobre a importância de medidas protetivas contra incêndio.

A iniciativa de debate do tema foi muito elogiada pelo público alvo e contou com a participação de dois grandes especialistas na temática de incêndios em edifícios de estruturas de concreto.

 

Folder Evento Andrielli

 

Descrição do Evento

 

O Professor Titular da UFG, Doutor Oswaldo Cascudo, fez a abertura do evento, agradecendo a presença de todos os participantes do VI Concretar e dos palestrantes convidados, que são referências nacionais no que tange ao tema “incêndios em edifícios multipavimentos”.

 

Foto 1 Evento Andrielli

 

Para compartilhar o aprendizado adquirido com a tragédia do Edifício Wilton Paes de Almeida, que desabou após incêndio de grandes proporções no Centro de São Paulo, o Engenheiro Civil, Especialista em Patologia das Construções, Professor Doutor da Universidade de São Paulo (USP) e Diretor da PhD Engenharia, Paulo Helene, começou sua apresentação com dados técnicos de outros incêndios ocorridos em edifícios de múltiplos andares, em São Paulo e em algumas cidades pelo mundo, tais como: Edifício Andraus (São Paulo, 1972), Edifício Joelma (São Paulo, 1974), Edifício Grande Avenida (São Paulo, 1969 e 1981), Edifício Windsor (Madri, Espanha, 2005), Parque Central Torre Leste (Caracas, Venezuela, 2004) e World Trade Center (Nova Iorque, EUA, 2001).

O Edifício Wilton Paes de Almeida, considerado um desafio e marco da engenharia em termos de construção e arquitetura, foi projetado em 1961 pelo arquiteto Roger Zmekhol, tombado em 1992 pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (CONPRESP) e ocupado irregularmente desde 2003.  Nos últimos anos, foi utilizado como residência por mais de 90 famílias, que pagavam mensalidade ao Movimento Luta por Moradia Digna.

 

Foto 2 Evento Andrielli

 

De acordo com o Doutor Paulo Helene, nas décadas de 60 e 70, os profissionais da construção tinham pouca experiência em incêndio e hoje o colapso de estruturas é a quarta causa de mortes por ação do fogo. Citou ainda as normas nacionais que estabelecem os requisitos de resistência ao fogo dos elementos, componentes e projetos estruturais da construção: ABNT NBR 5628:2001, ABNT NBR 14432:2001, ABNT NBR 15200:2012, INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 08/2011. Sobre o Edifício Wilton Paes de Almeida, mencionou alguns problemas observados após a tragédia, como por exemplo, a não retirada das fôrmas de madeira quando da construção da estrutura de concreto armado. Para finalizar sua apresentação, elencou todas as lições aprendidas com essa tragédia, dentre elas, a importância da inspeção periódica, manutenção preventiva, redundância e robustez no projeto.

A segunda apresentação do encontro foi do Engenheiro Civil, Especialista em Engenharia da Qualidade e em Gerência de Riscos e Seguros, Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela USP e funcionário do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT), Antônio Fernando Berto, que tratou do tema “Importância da resistência ao fogo para a segurança de grandes edificações”. Informou que no estado de São Paulo ocorrem de 10.000 a 15.000 incêndios por ano e ressaltou que o segredo da segurança contra o incêndio é saber o valor de cada ação, uma vez que falta projetos executivos e testes de resistência das estruturas ao incêndio. 

Sua exposição contemplou também uma abordagem sistêmica da segurança contra incêndio, que tem como princípio dividir um problema complexo em problemas menores, por meio da adoção de um conjunto específico de medidas de segurança para cada etapa do desenvolvimento do incêndio, propiciando a interação dessas soluções para a solução do problema geral. Repassou informações esclarecedoras sobre as medidas passivas de proteção contra incêndio, o conceito de resistência ao fogo, o Tempo Requerido de Resistência ao Fogo (TRRF), a norma ABNT NBR 15.200, que estabelece os critérios de projeto de estruturas de concreto em situação de incêndio, além da temperatura alcançada no interior da peça de concreto.

 

Foto 3 Evento Andrielli

 

O debate, ao final do evento, teve a mediação do Professor Oswaldo Cascudo, e contou com a participação dos palestrantes do VI Concretar, Doutor Paulo Helene e Mestre Antônio Fernando Berto, do Diretor da Errevê Engenharia e Projetista de Estruturas, Professor Ricardo Veiga, do Diretor da DUX Engenharia, Professor Marcelo Cândido, e do Engenheiro Civil de Furnas e Diretor da Pontevedra Consultoria em Engenharia, Rogério Gama Peres. A importância da prevenção de incêndio no projeto, de realizar testes e ensaios de resistência ao fogo dos elementos e estruturas construtivas, do estudo e valorização dos conteúdos das normas relacionadas à segurança contra incêndio e de mais rigidez na fiscalização dos edifícios foram alguns dos assuntos destacados.

 

Foto 4 Evento Andrielli

 

Nota Editorial por Adriana Costa

Relações Públicas

Listar Todas Voltar